Diário do Mundial XIII

Jogo 12 – Rep. Coreia 2 – 1 Togo
A semi-finalista (sabe-se lá como, ou até se sabe mas não convem dizer) do Mundial 2002 serviu como padrinho do Togo na sua estreia em fases finais, disputado num estádio com a cobertura fechada (porque é impossível para os "super-atletas" modernos fazer um bom jogo de futebol com mais de 25 graus), com a Sporttv a adicionar à perspectiva de um jogo aborrecido os comentários de um dos melhores treinadores portugueses a sair da Madeira em 2002, José Peseiro. Essa perspectiva mostrou-se correcta, com um jogo disputado essencialmente a meio campo, e sem obrigar os guarda redes a grande esforço. A surpresa pareceu-se começar a desenhar a meio da primeira parte, quando Kader aproveitou os espaços concedidos pela defesa Coreana e adiantou a equipa africana no marcador, resultado que se manteve até aos primeiros minutos da segunda parte, onde Abalo decidiu que era boa ideia cortar as pernas a Ahn que se preparava para arrancar em direcção à baliza. Graham Poll mostrou o vermelho e depois o amarelo, e na cobrança do livre Lee atira quase por cima da cabeça do guarda redes do Togo, e empata a partida. Sem conseguir controlar a partida, antes pelo contrário, a Coreia chegou ao 2-1 por Ahn, que rematou fora da àrea com um ligeiro desvio num defesa e para o fundo das redes. Destaque da partida vai para Peseiro, que conseguiu mostrar toda a sua fibra ao fazer alusões constantes à escolha do Togo em manter um estilo de jogo ofensivo, como que a traçar paralelos entre as tácticas de Pfister e as de um jovem treinador Português recentemente emigrado para a Ásia após dois falhanços consecutivos em Madrid e Lisboa.

Golos:
31' Kader 0-1 – Passe da direita, a defesa da Coreia abre toda e o Togolês remata de forma perfeita para abrir o marcador.
54' Lee 1-1 – Livre frontal, com a bola a passar perto do guarda-redes, que nem se pode queixar do Sol.
72' Ahn 2-1 – Remate cruzado fora da àrea, a bola ainda desvia num defesa e fica fora do alcance de Agassa

Jogo 13 França 0 – 0 Suiça
No jogo mais miserável desde que a competição começou, a França não conseguiu fazer melhor que extender a sua série de jogos sem marcar para 4, enquanto a Suiça mostrou estar ao nível de Angola e da Polónia. Num jogo em que Henry mostrou porque houve quem dissesse que ele é que ficava a perder em não ir para o Barcelona, as ocasiões de golo claras dos franceses contam-se pelos dedos de alguem que gosta de brincar com bombinhas de Carnaval, enquanto a Suiça não conseguiu aproveitar nenhuma das duas que teve. Destaque para mais um concerto de apito, desta vez de Valentin Ivanov, embora sempre tenha dado para divertir entre os comentários pouco elogiosos a Henry e companhia.

Golos:
É suposto ser uma piada?
Jogo 14 Brasil 1 – 0 Croácia
Os vencedores antecipados do Mundial 2006 tiveram muitas dificuldades para vencer os terceiros classificados do Mundial de 1998, mesmo contando com Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Ronaldinho Gorducho no ataque. Com uma exibição algo pálida de Ronaldinho e Adriano, para não falar da total ausencia de uma do Gordo da Nike, foi Kaká a salvar a honra do convento com um remate de longe já a fechar a primeira parte, e depois Dida a manter as redes invioláveis contra dois remates perigosos na segunda parte.

Golos:
44' Kaká 1-0 – Cafú diverte-se com a bola, Kaká perde cinco minutos a pedi-la, e quando a recebe remata do meio da rua directamente para dentro da baliza.
Golo do Dia:


Cafú diverte-se com a bola, Kaká perde cinco minutos a pedi-la, e quando a recebe remata do meio da rua directamente para dentro da baliza.


Raúl no banco
O capitão do Real e principal responsável em 75% dos desaires da Fúria nos últimos anos não se mostrou particularmente incomodado por começar o Mundial na 1ª fila do estádio: "Sou apenas mais um membro do plantel e ele não tem de me dar explicações". Aragonés ainda não anunciou o 11 inicial para a estreia amanhã, mas já deixou "pistas suficientes para que toda a gente perceba e tenho vindo a treinar um onze sem o Raul", concluindo "assim pode ser que isto de falhar golos de baliza aberta e empatar meia duzia de jogos acabe".
Jogos do Dia (14-6)
Jogo 15:
Espanha – Ucrânia (14:00), (1-1)
Jogo 16:
Tunísia – Arábia Saudita (17:00), (0-0)
Jogo 17:
Alemanha – Polónia (20:00), (2-0)

Posted Quarta-feira, 14 Junho 2006 by Silva in Diários do Mundial

%d bloggers like this: