Diário do Mundial XXV

Jogo 52 – Inglaterra 1 – 0 Equador
Após uma fase de grupos em que até “eficaz” seria uma palavra demasiado bondosa, a Inglaterra defrontou uma das surpresas positivas da primeira fase, o Equador. Sem Owen, que decidiu arranjar forma de meter baixa nos próximos cinco meses, a mudança táctica para o 4-5-1 de reserva caso o gordo de serviço não recuperasse foi posta em prática e o resultado foi brilhante. Para quem não pode ver o jogo, e assim poupou 90 minutos do seu tempo com o excelente resultado de nenhuma jogada de jeito. Assim sendo, com quatro jogos a roçar o miserável, a Inglaterra chega aos quartos de final.

Golos:
60′ Beckham 1-0 – Livre frontal à imagem de Beckham, junto ao poste e só com mais cinco centímetros o guarda redes chegava lá.

Batalha de Nuremberga – 3º Corpo de Cavalaria 1 – 0 Huzaren Prins van Oranje
O que era suposto ser uma partida entre a Equipa do Scolari e a selecção Holandesa transformou-se numa batalha campal entre os exércitos holandeses. Ainda houve tempo para Maniche marcar um golo, mas o futebol foi a descair a partir daí. Com Cristiano Ronaldo a sofrer de uma entrada de Khalid “Kannibale” Boulahrouz e a sair, e Costinha, já com um amarelo decide enterrar os pitons na perna de um médio holandês, safando-se à expulsão. Por pouco tempo, já que nos descontos, por um motivo qualquer, decidiu cortar um passe longo com a mão, o que valeu o segundo amarelo e expulsão. Na segunda parte, após um remate à barra de Cocu, sai o futebol e entram os tanques, com Figo a dar uma cabeçada em Van Bommel, enquanto Petit se diverte a apertar-lhe os mamilos. Freud ficaria interessadíssmo com este lance. Depois, Kannibale Boulahrouz leva o braço a cara de Figo, que cai. Segundo amarelo, e o equilibrio volta à batalha. Depois, após pausa para a equipa médica assistir Ricardo Carvalho, a equipa holandesa não devolve a bola, e Deco corta o mal pela raiz, ou seja, as pernas do primeiro jogador vestido de branco com a bola. Na confusão, Petit dá conselhos sobre bricolage ao jogador caído, e Sneijder, fervoroso adepto de bricolage, não concorda com Petit e atira-o ao chão. Mais uma ronda de amarelos, e minutos depois Deco faz uma falta, e enquanto Cocu lhe pergunta como está o Barcelona, Deco não larga a bola, o que lhe vale o segundo amarelo. E mais uma ronda de amarelos. Já nos minutos finais, após muito cacete e traulitada medieval, Van Bronckhorst vê mais um amarelo, e o vermelho. E o jogo acaba com a vitória do 3º Corpo de Cavalaria, e a derrota em toda a linha do futebol.

Golos:
23′ Maniche 1-0 – Deco cruza, Pauleta amortece para Maniche que dribla um e remata para o fundo da baliza.

Golo do dia


Livre frontal à imagem de Beckham, junto ao poste e só com mais cinco centímetros o guarda redes chegava lá.

 

Poll de fora
O àrbitro inglês, responsável por duas inovações este mundial, o Vermelho seguido de amarelo e o triplo amarelo, não deverá continuar em prova segundo a FIFA. Ivanov, o moderador das UN na batalha de Nuremberga tambem deverá ficar de fora.

Jogo às cores
Ainda na batalha de Nuremberga, este jogo igualou o recorde de amarelos e bateu o de vermelhos em fases finais. Em quatro anos, a tendência para o slot da Selecção Portuguesa fazer figura de urso disciplinarmente não mudou. Só os resultados.

Jogos do dia:
Jogo 53: Itália – Austrália (16:00)
Jogo 54: Suiça – Ucrânia (20:00)

Posted Segunda-feira, 26 Junho 2006 by Silva in Diários do Mundial

%d bloggers like this: