Archive for Maio 2008

Depois do vinho no Rock in Rio…

… o azeite.

Anúncios

Posted Sábado, 31 Maio 2008 by Silva in Bandalheira

Where Is My Love


Where Is My Love – Cat Power (The Greatest, 2006)

Um dos momentos altos do concerto no Coliseu, quanto mais não seja que era das poucas músicas que a acústica terrível da sala não assassinava a belíssima voz da Chan Marshall.

Posted Sexta-feira, 30 Maio 2008 by Silva in Videoclip

Tagged with

I’ve got nothing better to do than pay too much attention to you

Sebadoh – The Freed Pig
(Sebadoh III, 1991)

 

Posted Quinta-feira, 29 Maio 2008 by Silva in Single

Tagged with

Isto é o jornalismo em Portugal…

Esta notícia do Público (entretanto corrigida), traduzida a partir do site da Reuters, mostra bem o lindo estado em que está o “jornaleirismo” (já que usar o termo referido no título em cima é quase um insulto a quem pratica essa arte noutros locais onde será certamente mais bem tratada) neste país que daqui a uns dias irá esquecer-se da crise dos preços do petróleo para dar lugar a uma “alegria” enevoada pelas fotos de Ronaldo e companhia. Se traduzir “Life sentence” para “pena de morte” já é mau, desconhecer que na Europa ocidental a pena de morte foi abolida (apenas algumas excepções para traição em tempo de guerra), e mesmo na Europa de leste apenas a Russia e a Bielorússia a mantêm, é um verdadeiro atentado à inteligência dos jornalistas e tradutores no desemprego actualmente.

Por estas e por outras é que intelectualoides como o Andrew Keen deviam deslocar os livros que escrevem da secção “tecnologia” para “comédia”. Se isto é o trabalho dos profissionais, valham-nos os amadores!

Posted Quarta-feira, 28 Maio 2008 by Silva in Bandalheira

Gobbledigook

É o primeiro trabalho a sair de Með suð í eyrum við spilum endalaust (que quer dizer qualquer coisa como “Com um zumbido nos ouvidos tocamos incessantemente“), o novo álbum dos Sigur Rós, cujo videoclip, que retrata uma tribo indígena nas florestas tropicais da Islândia, podem ver no site oficial, já que aparentemente podem colocar videos das Pussycat Dolls no YouTube, mas não videos onde aparecem uns jovens tal e qual vieram ao mundo não. Mas voltando ao nome, não que isso importe – entre Islandês e Vonlenska, os Sigur Rós são mesmo daqueles casos em que a forma como cantam é infinitamente mais importante do que o que é cantado. Bom exemplo disso é a Flugufrelsarinn de Ágætis Byrjun – a fiar pela tradução mais conhecida da letra, é preferível imaginar outra coisa qualquer, a não ser que tenham algum interesse na libertação de moscas . Fica o áudio de Gobbledigook.

Tenho estado algo receoso sobre o álbum novo deles, principalmente após o Jonsi ter falado em fazer um álbum mais acessível. Infelizmente, parte dos meus receios confirmaram-se: o álbum inclui uma faixa em inglês, e a ver pela amostra decidiram afastar-se da matriz sonora que os caracterizou na última década. Não que isso seja mau: quem tem bom gosto tem-no sempre, e nesse espaço de tempo os 4 magníficos da música islandesa mostraram-no sempre.

Embora seja sempre arriscado fazer estas “previsões” com base numa só música, este deverá ficar bem ao lado de Saturdays=Youth dos M83: umm álbum bastante bom, mas que acaba por destoar demsaiado na discografia da banda. Seja como for, um bom álbum é sempre um bom álbum.

Posted Quarta-feira, 28 Maio 2008 by Silva in Musica, Single

Tagged with

You Have Killed Me


You Have Killed Me – Morrissey (Ringleader of the Tormentors, 2006)

Já que a Eurovisão a sério é uma merda, vejam o Morrissey, no seu estilo Morriseiano de falar num passado que nunca existiu, a fazer um videoclip inspirado nele.

Posted Sábado, 24 Maio 2008 by Silva in Videoclip

Tagged with

O Elo perdido entre o Jack Bauer e o Obi Wan

Enquanto ontem tentava espantar mais uma noite má, dei de caras no Holywood (ou seria o AXN?) com a adaptação de 1993 dos Três Mosqueteiros do Alexandre Dumas. Do alto do sono, descobri que a personagem do Athos interpretada pelo Kiefer Sutherland é na realidade o elo perdido entre o Obi-Wan Kenobi do Star Wars e o Jack Bauer do 24. Ora vejamos…

Obi-Wan Kenobi Athos Jack Bauer

Barbudo e cabeludo Barbudo e cabeludo Parece-se com um Athos bem arranjado
Ao serviço da República Galáctica Ao serviço de Louis XIII Ao serviço dos EUA
Lightsaber Rapier Qualquer coisa que mate
Acredita na força Religioso Trabalha como Crusado
Ordem Jedi banida por Palpatine Mosqueteiros banidos por Richelieu CTU dissolvida após 6º dia
Tomado por morto Tomado por morto Tomado por morto

Agora a pergunta: estaremos na presença de uma personagem imortal, que se deslocou pelo tempo e ficção adoptando sempre o mesmo perfil, ou no fundo, a ficção é tão previsível que as personagens são todas as mesmas?

O próximo objectivo: encontrar qual será o elo perdido entre o violador de direitos civis Jack Bauer e o violador de adolescentes Robert Doob:

Posted Quinta-feira, 22 Maio 2008 by Silva in Bandalheira